quarta-feira, 14 de setembro de 2016

Cuba: Vem aí o Congresso Internacional de Pedagogia 2017


O Congresso Pedagogia, será realizado entre os dias 30 de janeiro a 03 de fevereiro de 2017 no Palácio das Convenções de Havana - Cuba.

Cada um desses temas centrais será discutido em simpósios e fóruns, e serão abordados nos cursos (pré-congresso e paralelo ao evento), desenvolvidos por professores cubanos.

Os simpósios serão organizados em conferências, mesas redondas, painéis, apresentações de cartazes e orais, como formas de integrar o conteúdo das questões centrais e fomentar o debate científico. 

O programa inclui visitas especializadas aos centros educacionais e instituições científicas em Havana.

O prazo limite do envio de trabalhos para apresentação é 31 de outubro.



1 - Educação valores e cidadania por uma cultura de paz;

2 - O desempenho profissional dos professores no desenvolvimento e transformação dos sistemas de ensino;

3 - Desafios e perspectivas na formação de professores.

4 - As políticas públicas em ciência, tecnologia e inovação para o desenvolvimento inclusivo e sustentável.

5 - Tecnologia informação e comunicação na educação e sua contribuição para a cultura e para o desenvolvimento sustentável.

6 - A avaliação da qualidade para uma educação inclusiva e equitativa no âmbito da Agenda de Educação 2030

7 - A educação ambiental para o desenvolvimento sustentável e prevenção de acidentes

8 - Cultura, educação e sociedade.

9 - A educação física, esporte e saúde nas instituições de ensino.

10 - Assistência integral para a infância e adolescência.

11 - Orientação no processo de ensino e  aprendizagem.

12 - Vocação, formação profissional e orientação profissional, de acordo com as demandas sociais.

13 - Organização  e gestão das instituições de ensino.

14 - Contribuições das Ciências da Educação no desenvolvimento da prática educativa.

15 - Integração escolar - família - comunidade de desenvolvimento humano sustentável.

16 - A alfabetização e educação de jovens e adultos.

17 - O pensamento de José Martí e Fidel Castro na obra educativa cubana.

18 - Pensamento educativo da América Latina.

19 - Desafios e Perspectivas na formação de profissionais em uma universidade inovadora.

20 - Influência dos sindicatos e associações de professores no desenvolvimento sustentável do ensino.

21 - Educação inclusiva, equitativa, e a qualidade educacional e aprendizado ao longo da vida;

22 - Educação para os povos indígenas e do setor rural, políticas inovadoras para o desenvolvimento humano sustentável.

23 - Qualidade da formação técnica e profissional e sua contribuição para o desenvolvimento socioeconômico dos países

Maiores informações sobre o congresso: http://www.pedagogiacuba.com/es/convocatoria

Passagem Aérea: 

COPA via Panamá

AVIANCA via Lima ou Bogotá:

A hospedagem poderá ser em casas de cubanos autorizados a alugar para estrangeiros.

Retirado de SOLIDÁRIOS

quarta-feira, 31 de agosto de 2016

Primeiro voo regular a Cuba parte dos EUA após mais de 50 anos


O primeiro voo regular de EUA a Cuba partiu na manhã desta quarta-feira (31) de Fort Lauderdale, em um passo importante para a normalização das relações entre os dois países. O voo da companhia aérea americana JetBlue partiu por volta das 10h05 no horário local e aterrissou cerca de 50 minutos depois em Santa Clara, em Cuba.
O Airbus A320 da JetBlue, a bordo do qual viajam turistas, jornalistas e autoridades como o secretário de transporte de EUA, Anthony Foxx, entrou na pista de decolagem atravessando um arco formado por jatos de água, como acontece sempre que se trata de um voo inaugural. Uma banda de salsa animou a entrada dos viajantes no avião.
"Às vezes lembramos grandes momentos da história", disse à agência AFP Mark Gales, chefe executivo do aeroporto, mencionando a queda do muro de Berlim e a chegada do homem à Lua. Parafraseando a famosa frase de Neil Armstrong, o primeiro ser humano que pisou na Lua, acrescentou: "Este é um pequeno voo para os passageiros, mas um enorme avanço na reconexão da humanidade".
Os passageiros embarcaram em meio a aplausos, gritos, lágrimas e balões coloridos. Um deles, Domingo Santana, de 53 anos, foi o primeiro a comprar a passagem do primeiro voo comercial a Cuba depois de ter deixado a ilha quando tinha seis anos."Estou muito orgulhoso, muito emocionado", disse Santana. "Nunca fui ao meu país, não conheço meu país. É uma grande oportunidade".
"Esta reabertura nos beneficiou", comentou outra passageira, Aleisy Barreda, de 46 anos. "Não apenas em preços, mas também em facilidades para comprar as passagens."
O voo de hoje é um dos 110 diários diretos que foram aprovados neste ano pelo Departamento de Transporte dos EUA (DOT) a Cuba. Trata-se de 20 voos a Havana e 90 a outras cidades cubanas, que partirão em sua maioria do sul da Flórida, onde se concentra a maior população de origem cubana no país.

Nestas rotas poderão viajar americanos que estejam classificados em qualquer uma das 12 categorias de viagens para Cuba permitidas pelo governo dos EUA, na tentativa de suavizar o embargo econômico imposto por Washington a Havana e que proíbe seus cidadãos de viajarem a Cuba como turistas.

As razões de viagens autorizadas para americanos estão relacionadas com atividades culturais, empresariais, educacionais e jornalísticas.

O DOT autorizou em junho passado a JetBlue, American Airlines, Frontier, Silver Airways, Southwest e Sun Country viajarem desde Fort Lauderdale, Miami, Chicago, Filadélfia e Mineápolis a nove cidades de Cuba, sem incluir Havana.

Estas são Camagüey, Cayo Coco, Cayo Largo, Cienfuegos, Holguín, Manzanillo, Matanzas, Santa Clara e Santiago de Cuba.

Com a aprovação destas rotas, o governo dos EUA afirmou que procura "reunir as famílias cubano-americanas e fomentar a educação e as oportunidades para as empresas americanas de todos os tamanhos".

No caso da JetBlue, esta terá inicialmente rotas desde Fort Lauderdale a Santa Clara, Camagüey e Holguín, cuja frequência irá aumentando até ser diária no final do ano, e prevê viajar também a Havana, uma vez o DOT outorgue as autorizações definitivas para a capital cubana.

Devido às solicitações de linhas aéreas para viajar a Havana triplicarem as estabelecidas por ambos governos, sua adjudicação demorou mais do que previsto.

Por ora, o DOT acordou em julho passado que autorizará voos à capital cubana a oito companhias aéreas saindo de Miami, Fort Lauderdale, Orlando e Tampa, na Flórida, além de Newark (Nova Jersey), Nova York, Charlotte, Atlanta, Houston e Los Angeles.

A JetBlue, que viajará para Cuba em aviões Airbus A320, com capacidade para 220 passageiros, afirmou que suas tarifas partirão de US$ 99 por trajeto e incluem o seguro médico que exige o governo cubano. 



Retirado de UOL (Com as agências internacionais)

sábado, 13 de agosto de 2016

O que diz Fidel Castro do alto dos seus 90 anos

O aniversário

É preciso frisar sobre a necessidade de preservar a paz, e que nenhuma potência tenha o direito de matar milhões de seres humanos

Amanhã, completarei 90 anos. Nasci em um território chamado Birán, na região oriental de Cuba. Se conhece com esse nome, mesmo que nunca tenha aparecido em um mapa. Dado seu bom comportamento, era conhecido por amigos próximos e, desde logo, como um local de representantes políticos e inspetores que se viam em torno de qualquer atividade comercial ou produtiva próprias dos países neocolonizados do mundo.
Em uma ocasião, acompanhei meu pai a Pinares de Mayarí. Tinha, então, oito ou nove anos. Como ele gostava conversar quando saía da casa de Birán! Ali, era dono das terras onde se plantava cana, pastos e outros cultivos da agricultura. Mas nos Pinares de Mayarí não era dono, mas sim arrendatário, como muitos espanhóis que foram donos de um continente em virtude dos direitos concedidos por uma Bula Papal, de cuja existência nenhum dos povos e seres humanos deste continente sabiam. Os conhecimentos transmitidos já eram em grande parte tesouros da humanidade.
A altura se eleva aos 500 metros aproximadamente, de colinas inclinadas, pedregosas, onde a vegetação é escassa e, às vezes, hostil. Árvores e rochas obstruem o trânsito; repentinamente, a uma altura determinada, se inicia uma meseta extensa, que calculo se estende aproximadamente sobre 200 quilômetros quadrados, com ricos depósitos de níquel, cromo, magnésio e outros minerais de grande valor econômico. Daquela meseta se extraíam diariamente dezenas de caminhões de toras de grande tamanho e qualidade.
Observe-se que não mencionei o ouro, a platina, o paládio, os diamantes, o cobre, o estanho e outros que, paralelamente, se converteram em símbolos dos valores econômicos que a sociedade humana, em sua etapa atual de desenvolvimento, requer.
Pouco antes do triunfo da Revolução, meu pai morreu. Antes, sofreu bastante. Dos seus três filhos homens, o segundo e o terceiro estavam ausentes e distantes. Nas atividades revolucionárias, um e outro cumpriam seu dever. Eu havia dito que sabia quem podia me substituir se o adversário tivesse êxito em seus planos de eliminação. Eu quase ria com os planos maquiavélicos dos presidentes dos Estados Unidos.
Em 27 de janeiro de 1953, por conta do golpe traiçoeiro de Batista em 1952, se escreveu uma página da história da nossa Revolução: os estudantes universitários e organizações juvenis, junto ao povo, realizaram a primeira Marcha das Tochas para comemorar o centenário do nascimento de José Martí.
Já havia chegado à convicção de que nenhuma organização estava preparada para a luta que estávamos organizando. Havia desnorteamento total dos partidos políticos que mobilizavam massas de cidadãos, da esquerda à direita e ao centro, aborrecidos pela politicagem que reinava no país.
Aos seis anos, uma professora cheia de ambições, que dava aulas na escolinha pública de Birán, convenceu a família de que eu deveria viajar a Santiago de Cuba para acompanhar minha irmã maior, que ingressaria em uma escola de monjas com bom prestígio. Incluir a mim foi uma habilidade da própria professora da escolinha de Birán. Ela, esplendidamente tratada na casa de Birán, onde se alimentava na mesma mesa que a família, a havia convencido da necessidade da minha presença. Em definitivo, tinha saúde melhor que meu irmão Ramón – que faleceu em meses recentes – e, durante muito tempo, foi companheiro de escola. Não quero me estender, só que foram muito duros os anos daquela etapa de fome para a maioria da população.
Me enviaram, depois de três anos, ao Colégio La Salle de Santiago de Cuba, onde me matricularam no primeiro grau. Passaram quase três anos sem que me levassem jamais a um cinema.
Assim começou minha vida. Escrevo melhor, se tiver tempo, sobre isso. Desculpem-me por não o ter feito até agora, só que tenho ideias do que se pode e se deve ensinar a uma criança. Considero que a falta de educação é o maior dano que se pode fazer.
A espécie humana enfrenta o maior risco de sua história. Os especialistas nestes temas são os que mais podem fazer pelos habitantes deste planeta, cujo número se elevou de um bilhão no final dos anos de 1800 a sete bilhões no princípio de 2016. Quantos terá nosso planeta dentro de mais alguns anos?
Os cientistas mais brilhantes, que já são vários, são os que podem responder esta pergunta e outras muitas de grande transcendência.
Desejo expressar minha mais profunda gratidão pelas mostras de respeito, as saudações e os obséquios que recebi nestes dias, que me dão forças para devolver por meios de ideias que transmitirei aos militantes de nosso partido e aos organismos pertinentes.
Os meios técnicos modernos permitiram escrutinar o universo. Grandes potências, como China e Rússia, não podem ser submetidas às ameaças de impô-las o emprego das armas nucleares. São povos de grande valor e inteligência. Considero que faltou altura ao discurso do Presidente dos Estados Unidos quando visitou o Japão e lhe faltaram palavras para se desculpar sobre a matança de centenas de milhares de pessoas em Hiroshima, mesmo conhecendo os efeitos da bomba. Foi igualmente criminoso o ataque a Nagasaki, cidade que os donos da vida escolheram ao azar. É preciso frisar sobre a necessidade de preservar a paz, e que nenhuma potência tenha o direito de matar milhões de seres humanos.
Retirado de OperaMundi
Leia também:

Em artigo no aniversário de 90 anos, Fidel diz que humanos enfrentam 'maior risco da história'

Fidel Castro 'ganha' site como presente por aniversário de 90 anos

El Cumpleaños

No aniversário de 90 anos de Fidel Castro quem ganha presente é a humanidade. Ouçamos com atenção.

'É preciso frisar sobre a necessidade de preservar a paz, e que nenhuma potência tenha o direito de matar milhões de seres humanos', escreveu Fidel
O ex-presidente cubano Fidel Castro, que completa 90 anos neste sábado (13/08), pediu, em artigo publicado pelo site Cubadebate, que a paz do planeta seja preservada e alertou que "a espécie humana enfrenta o maior risco de sua história".
“A espécie humana enfrenta o maior risco de sua história. Os especialistas nestes temas são os que mais podem fazer pelos habitantes deste planeta, cujo número se elevou de um bilhão no final dos anos de 1800 a sete bilhões no princípio de 2016. Quantos terá nosso planeta dentro de mais alguns anos? Os cientistas mais brilhantes, que já são vários, são os que podem responder esta pergunta e outras muitas de grande transcendência”, diz Fidel.
Cubadebate

Líder da Revolução Cubana, Fidel Castro completa 90 anos neste sábado
"É preciso frisar sobre a necessidade de preservar a paz, e que nenhuma potência tenha o direito de matar milhões de seres humanos", escreveu o líder da Revolução Cubana em artigo intitulado "El Cumpleaños" (O aniversário).
Fidel começa o artigo contando um pouco sobre sua infância, sua família e os momentos anteriores à Revolução Cubana. “Poucos anos antes do triunfo da Revolução, meu pai morreu. Antes, sofreu bastante. Dos seus três filhos homens, o segundo e o terceiro estavam ausentes e distantes. Nas atividades revolucionárias, um e outro cumpriam seu dever. Eu havia dito que sabia quem podia me substituir se o adversário tivesse êxito em seus planos de eliminação. Eu quase ria com os planos maquiavélicos dos presidentes dos Estados Unidos”, disse.
“Assim começou minha vida. Escrevo melhor, se tiver tempo, sobre isso. Desculpem-me por não o ter feito até agora, só que tenho ideias do que se pode e se deve ensinar a uma criança. Considero que a falta de educação é o maior dano que se pode fazer.”
Aniversário
Líderes mundiais cumprimentaram Fidel pelos 90 anos. O presidente russo, Vladimir Putin, foi um deles.
"Querido amigo, receba as mais calorosas felicitações por ocasião de seu aniversário. Na Rússia o senhor possui grande respeito como um importante estadista que dedicou toda sua vida a serviço do povo de Cuba", escreveu Putin em mensagem divulgada pela assessoria de imprensa do Kremlin.
Por sua vez, Evo Morales, presidente da Bolívia, afirmou que Fidel é “um herói das lutas dos povos do mundo”. “É quem representa a dignidade, a soberania, a liberdade e, especialmente, os excluídos, humilhados, marginalizados por um sistema capitalista e por essas políticas do império norte-americano”, disse Morales à revista La Garganta Profunda.
Evo também mandou uma mensagem pessoal ao líder da Revolução Cubana. “Peço-lhe que se cuide, que nos acompanhe com suas mensagens tão profundas, porque com sua verdade e sabedoria segue sendo uma grande referência para as futuras gerações. Fidel e seu povo fizeram uma grande batalha e derrotaram o império norte-americano, pese o bloqueio econômico que é o maior crime que os Estados Unidos aplicam contra o povo cubano. Fidel e todos os irmãos de Cuba são um modelo. O patrimônio da Revolução Cubana é a educação, a paz, a igualdade e a dignidade dos povos do mundo. Os legados de Fidel serão para toda a vida.” 
Retirado de Opera Mundi

sábado, 23 de abril de 2016

Discurso de Fidel no Congresso do PCC


“É um esforço sobre-humano dirigir qualquer povo em tempos de crise. Sem eles[os dirigentes], as mudanças seriam impossíveis. Em uma reunião como esta, aos mais de mil representantes escolhidos pelo próprio povo revolucionário, que a eles delegou sua autoridade, significa a maior honra que receberam na vida, e a isso se soma o privilégio de ser revolucionário que é o resultado de nossa própria consciência.
Por que eu me tornei um socialista, de forma mais clara, por que eu me tornei um comunista? Essa palavra que expressa o conceito mais distorcido e caluniado da história por aqueles que tiveram o privilégio de explorar os pobres, despossuídos uma vez que eles foram privados de todos os bens materiais que proporcionam o trabalho, talento e energia humana. Desde quando o homem vive neste dilema, ao longo do tempo, sem limite. Eu sei que vocês não precisam dessa explicação, mas talvez alguns dos ouvintes.
Falo simplesmente para que se compreenda melhor que não sou ignorante, extremista, ou cego, ou que não adquirida a minha ideologia por conta própria estudando economia.
Eu não tive preceptor, quando era um estudante de direito e ciência política, naquelas em que eles tem um grande peso. Desde que tinha ao redor de 20 anos, gostava de esportes e de escalar montanhas. Sem preceptor para me ajudar no estudo do marxismo-leninismo; não era mais do que um teórico e, é claro, tinha total confiança na União Soviética. A obra de Lenin seria ultrajada após 70 anos de revolução. Que aula de história! Podemos dizer que não devem transcorrer outros 70 anos para que ocorra outro evento como a Revolução Russa, para que a humanidade tenha outro exemplo de uma grande Revolução Social, [como a] que significou um grande passo na luta contra o colonialismo e seu ajudante, o imperialismo .
Talvez, no entanto, o maior perigo agora pairando sobre a terra deriva do poder destrutivo das armas modernas que poderia minar a paz no mundo e tornar impossível a vida humana na superfície terrestre.
As espécies desapareceriam como os dinossauros desapareceram, talvez não haveria tempo para novas formas de vida inteligente ou talvez o calor do sol cresça até fundir todos os planetas do sistema solar e seus satélites, como muitos cientistas reconhecem. Se certas, as teorias de vários deles, que não são leigos ignorantes, o homem prático deve aprender mais e se adaptar à realidade. Se a espécie sobrevive a um espaço de tempo muito maior, as gerações futuras saberão muito mais do que nós, mas primeiro terão que resolver um grande problema: Como alimentar os milhares de milhões de seres humanos cujas realidades inevitavelmente colidem com os limites para a água e os recursos naturais que necessitam?
Alguns ou talvez muitos de vocês se perguntem onde está a política neste discurso. Acreditem, eu tenho vergonha de dizer isso, mas a política está aqui nestas palavras moderadas. Esperemos que muitos humanos se preocupem com essas realidades e não continuem como nos dias de Adão e Eva a comer maçãs proibidas. Quem vai alimentar as pessoas famintas da África sem a tecnologia na ponta dos dedos, sem chuva, sem barragens, sem depósitos subterrâneos cobertos por areias? Veremos o que dizem que os governos que quase em sua totalidade subscreveram os compromissos climáticos.
Devemos martelar constantemente sobre estas questões e eu não quero me estender além do essencial.
Devo, em breve, cumprir 90 anos, eu nunca teria pensado em tal ideia e isso nunca foi o resultado de um esforço, foi capricho da sorte. Logo serei, já como todos os demais. A todos nós chegará nossa vez, mas ficaram as idéias dos comunistas cubanos como prova de que neste planeta, se você trabalha com fervor e dignidade, é possível produzir os bens materiais e culturais que os seres humanos necessitam, e nós devemos lutar incansavelmente para obtê-los. Para nossos irmãos da América Latina e do mundo, devemos transmitir que o povo cubano vencerá.
Talvez seja a última vez fale nesta sala. Eu votei em todos os candidatos apresentados para consulta pelo Congresso e agradeço ao convite e a honra de que me escutem. Felicito a todos, e, em primeiro lugar, ao companheiro Raul Castro por seu magnífico esforço.
Empreenderemos a marcha e aperfeiçoaremos o que devemos melhorar, com a máxima lealdade e força unida, como Martí, Maceo e Gómez em marcha imparável.
Fidel Castro Ruz”


AmBev investe na produção cervejeira cubana



No dia 28 de janeiro de 2014, uma subsidiária da AB InBev, a AmBev, adquiriu 50% de participação na Cerveceria Bucanero S.A. (CBSA), uma empresa cubana do ramo da produção e comércio de cerveja. Os outros 50% permanecem propriedade do governo cubano.





A AB InBev, uma empresa de capital aberto, formou-se através de sucessivas fusões de três grupos cervejeiros internacionais: a empresa belga Interbrew, a brasileira AmBev e a estadunidense Anheuser-Busch.
Antes de ser adquirida pela AB InBev, a AmBev era o maior produtor de cerveja da América Latina e ocupava a quinta posição no mercado mundial em seu ramo.
Segundo relatórios conjuntos da AB InBev com a US Securities and Exchange Commission (SEC), a CBSA passa a ser operada como uma empresa mista (joint-venture) cujo diretor-geral é indicado pela Ambev. As principais marcas da CBSA são Bucanero e Cristal. Em 2014, a CBSA vendeu 130 milhões de litros, o que representa 0,3% do volume global da AmBev, que chega a quase 46 bilhões de litros anuais.



A maior parte da produção da CBSA é vendida em Cuba, mas uma pequena parte é exportada e comercializada por alguns distribuidores de outros países, com exceção dos Estados Unidos. CBSA também importa e vende em Cuba cervejas de filiais da AmBev não sediadas nos EUA; em 2014, estas importações ficaram abaixo de meio milhão de litros.
A CBSA é a maior produtora de cerveja de Cuba. Com sede corporativa em Havana, sua produção é feita em Holguín, na região oriental da ilha, conhecida pela qualidade superior de suas águas. A fábrica da CBSA foi construída em 1980 com tecnologia alemã.
A capacidade de produção normal da CBSA supera os 150 milhões de litros por ano – o que representa mais de 450 milhões de copos de cerveja.




CBSA tem conquistado reconhecimento internacional, obtendo vários prêmios, entre os quais o Monde Selection da Europa. Bucanero MAX, uma cerveja «Premium», e Cristal, “a preferida de Cuba”, obtiveram a medalha de ouro por sua excepcional qualidade no evento de 2007. Monde Selection é um festival anual aberto não competitivo de alimentos e bebidas.

Retirado de Cuba Journal

Imagens de Frei Betto em visita ao Memorial Hélio Dutra em Cuba






Retirado de NESCUBA

quarta-feira, 13 de abril de 2016

GCUB assina acordo de cooperação com o Ministério de Educação Superior de Cuba


Na foto, da esquerda para a direita: Diretora de Relações Internacionais do Ministério, María Victoria Villavicencio Plasencia; Ministro Rodolfo Alarcón Ortiz e Reitora Miriam da Costa Oliveira (UFCSPA). Procedendo à assinatura do acordo, Vice-Ministra Aurora Fernández González (à esquerda) e Diretora Executiva do GCUB, Professora Doutora Rossana Valéria de Souza e Silva (à direita).

Brasília, 18/02/2016

No dia 17 de fevereiro, em Havana, o Grupo Coimbra de Universidades Brasileiras (GCUB) assinou Acordo Geral de Cooperação Educacional com o Ministério da Educação Superior de Cuba, em cerimônia oficial com o Ministro, Doutor Rodolfo Alarcón Ortiz, a Vice-Ministra, Aurora Fernández González, e a Diretora de Relações Internacionais do Ministério, María Victoria Villavicencio Plasencia. Na ocasião, o GCUB foi representado pela Vice-Presidente e Reitora da UFCSPA, Magnífica Miriam da Costa Oliveira, e pela Diretora Executiva, Professora Doutora Rossana Valéria de Souza e Silva.



Presentes na foto: Reitores de universidades cubanas; Reitor Targino de Araújo Filho (UFSCar), representando a ANDIFES; Professor Doutor Paulo Speller, Presidente da Organização dos Estados Ibero-Americanos (OEI); Reitora Roselane Neckel (UFSC); Reitor Carlos Alexandre Netto (UFRGS); Reitor Josué Modesto dos Passos Subrinho (UNILA); Vice-Presidente do GCUB, Reitora Mirian Miriam da Costa Oliveira (UFCSPA) e Diretora Executiva do Executiva do GCUB, Professora Rossana Valéria de Souza e Silva.

Além da assinatura do acordo, os representantes do GCUB estiveram em Havana por ocasião do 10º Congresso Internacional de Educação Superior "Universidad 2016". 

Retirado de GCUB

quinta-feira, 7 de abril de 2016

“Olhando para Cuba”: Coletivo de jornalistas brasileiros lança blog sobre o país socialista




No último dia 31 de março o auditório do Sindicato dos Jornalistas de São Paulo foi sede, mais uma vez, da reunião dos membros do Coletivo de Jornalistas e Comunicadores Amigos de Cuba, em que nesta ocasião realizou o lançamento de seu blog - Olhando para Cuba.

Com a participação de Ivette Martínez, representante de imprensa do Consulado de Cuba em São Paulo, Vítor Ribeiro, coordenador do coletivo e do jornalista Lucas Medina, editor do blog, se formalizou a publicação na internet de “Olhando para Cuba” que pode ser acessado através do seguinte endereço:http://www.olhandoparacuba.blogspot.com.br/

Segundo a diplomata cubana, “o blog será um espaço de interação e registro de debates reflexões que serão feitos pelos membros do coletivo sobre temas das variadas áreas da sociedade cubana”. Acrescentou ainda que “a grande imprensa brasileira tem uma postura crítica e de forma geral fornece uma imagem negativa sobre Cuba, assim este espaço deve servir para que os jornalistas amigos desconstruam tal imagem, refletindo sobre a realidade e as realizações da sociedade cubana”.

O design do espaço virtual foi concebido para agrupar informações sociopolíticas, culturais, científicas, desportivas, audiovisuais e opinativas. Seu editor, Lucas Medinas, destacou “que a página também facilita acesso aos sites e blogs brasileiros - que sistematicamente publicam informações sobre a ilha e aos meios cubanos oficiais e alternativos - que oferecem informação confiável sobre Cuba”.

Para Vítor Ribeiro, coordenador e diretor jurídico do Sindicato de Jornalistas de São Paulo, é muito positivo ter um espaço que informe os profissionais interessados em realizar uma matéria jornalística sobre Cuba ou em viajar a ilha. Considero que “o blog tem que ter essa visão integral de oferecer um serviço de informação, postar artigos sobre como funciona a sociedade cubana, sobre a oferta turística, sobre os eventos e assim tentar alcançar outros jornalista e internautas”.

Durante o lançamento os participantes realizaram sugestões sobre conteúdos que podem ser incluídos no blog. Todas as intervenções, assim como os comentários publicados no perfil do Coletivo no facebook, saudaram a iniciativa do blog e concordaram que “Olhando para Cuba” será o mais próximo da realidade cubana.

Tradução e adaptação: Sturt Silva/Solidários a Cuba.

Retirado de SOLIDARIOS

quinta-feira, 3 de março de 2016

Vamos pra Cuba: Rolling Stones anunciam show grátis em Havana

Banda, que fará primeira visita à ilha, também comanda campanha de doações de equipamento musical para artistas do país caribenho.


Apresentação dos Rolling Stones em São Paulo. Por Efe

A banda de rock Rolling Stones anunciou em seu site oficial, nesta terça-feira (01/03), que irá fazer um show de graça em Havana, Cuba, no dia 25 de março. Será a primeira vez da banda na ilha.

“Nós nos apresentamos em vários lugares especiais durante nossa longa carreira, mas este show em Havana será um marco para nós e, nós esperamos, para todos os nossos amigos em Cuba também”, disse a banda em comunicado.

O anúncio foi feito poucas semanas depois do presidente norte-americano, Barack Obama, anunciar uma visita à ilha. Será a primeira visita de um presidente dos EUA ao país em 88 anos.

A apresentação faz parte do tour de Mick Jagger, Keith Richards, Charlie Watts e Roonie Wood pela América Latina, chamado de Olé. Eles já passaram pela Argentina, Chile, Uruguai e Brasil. Na próxima semana, ainda visitarão Colômbia, Peru e México.

Além disso, a banda também está com uma campanha de doação de instrumentos e equipamento musical para músicos cubanos de todos os gêneros.