sábado, 8 de outubro de 2011

Cinco Heróis Cubanos: René Gonzalez é solto nos EUA

O antiterrorista cubano René Gonzalez, preso nos Estados Unidos há 13 anos, foi libertado na sexta-feira, dia 7. Ele ainda deverá permanecer no país ianque sob liberdade vigiada por três anos.


René Gonzalez saiu da penitenciária às 4:30 da sexta-feira, dia 7. Ele era aguardado por suas duas filhas, Irma e Ivette, seu irmão, Roberto, e seu pai, Cândido, além de seu advogado, Philip Horowitz, como informou a Telesur.

Os cubanos aguardaram atentos à libertação de René Gonzalez. Os outros quatro antiterroristas – Gerardo Hernandez, Ramon Labañino, Antônio Guerrero e Fernando Gonzalez – cumprem condenações, cujas penas chegam a prisão perpétua dupla mais 15 anos de prisão por informar sobre planos criminosos de grupos anticubanos na Flórida (EUA).

Em 12 de setembro, durante o ato central da Jornada de Solidariedade em favor dos Cinco Heróis Cubanos, o presidente do Parlamento, Ricardo Alarcón, sustentou que a impossibilidade de que René Gonzalez regresse imediatamente a Cuba constitui uma injusta sanção adicional para ele e sua família.

Mas, advertiu, significa igualmente um desafio para a administração Obama, que “oxalá saiba enfrentar com sabedoria e sentido comum”.

Servidores públicos e veículos de comunicação de Cuba, juntamente com vozes solidárias de todo o mundo, têm alertado sobre os perigos que a decisão da juíza Joan Lenard acarreta sobre a vida do antiterrorista.

Recentemente, a congressista republicana Ileana Ros-Lehtinen, de origem cubana, afirmou que René Gonzalez é um “vilão” com as “mãos manchadas de sangue”, e acrescentou que é “muito preocupante” sua libertação.

Para a coordenadora do Comitê Nacional pela Libertação dos Cinco nos Estados Unidos, Glória Riva, essa acusação deve ser considerada como um chamado que incita a violência contra o antiterrorista.

“A libertação de René da forma como está sendo feita está longe de ser o que buscávamos, mas é um avanço. Temos de continuar empenhados para a libertação dos outros quatro patriotas cubanos, e também para que ele possa ser eximido dessa injusta sanção adicional que representa o não poder voltar para Cuba já”, disse a senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB/AM), presidente do Grupo Parlamentar Brasil–Cuba.

A senadora lembra que é obrigação do governo norte-americano dar segurança de vida a René Gonzalez, enquanto ele permanecer nos Estados Unidos, e que isso será acompanhado, da forma que for possível, pelo Grupo Parlamentar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário