sábado, 19 de novembro de 2011

Em carta a Obama, CMP pede a libertação dos 5 heróis cubanos


Em reunião realizada entre os dias 16 e 17 de outubro, em Bruxelas, na Bélgica, o Secretariado do Conselho Mundial da Paz (CMP) aprovou a confecção de uma carta endereçada ao presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, pedindo a libertação dos Cinco patriotas cubanos que foram presos injustamente naquele país. Em entrevista concedida ao Vermelho, a presidente do CMP e do Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos e Luta pela Paz (Cebrapaz), Socorro Gomes, esclarece a importância dessa luta.

Socorro lembra que os cubanos detidos nos EUA, na verdade são heróis que lutavam para impedir os diversos atentados terroristas executados por anticubanos erradicados em Miami. Estes atentados vão desde a explosão de um avião que partia de Barbados, que provocou a morte de mais de 70 pessoas, até o lançamento de bactérias contra a ilha caribenha. “O governo cubano encaminhou ao presidente Bill Clinton, através do grande escritor Gabriel García Marques [os dossiês com as denúncias que desmantelavam a rede]. Só que o governo estadunidense em vez de prender os terroristas e desmontar as redes, prendeu os patriotas cubanos”. Eles foram julgados em Miami, “que é um antro anticubano e, em um clima de ódio, condenaram, de forma injusta, sem nenhuma prova, os patriotas cubanos a prisões que vão até 2 perpétuas e 15 anos”.

Ela destaca, no entanto, o caso de René González, que foi libertado em outubro, mas deverá permanecer mais três anos nos Estados Unidos, sob liberdade vigiada. “Ele corre risco de morte neste país”, alerta.

Paz e soberania
A medida faz parte das diretrizes do Conselho Mundial da Paz, que luta pela defesa da paz e da soberania dos países, das nações, como explicou Socorro. A presidente ressaltou ainda a importância dessa luta: “a libertação dos antiterroristas é fundamental para o estabelecimento do respeito entre as nações e para cessar as hostilidades e esse clima de ódio contra Cuba, que nunca atacou nenhum país”.

Fim do bloqueio e aprovação Palestina
Outras diretrizes abordadas pelo Conselho Mundial da Paz foram: o fim do bloqueio imposto pelos Estados Unidos contra Cuba e a defesa da criação imediata do Estado Palestino: “O que acontece com o Estado da Palestina há décadas, é um crime, uma ignomínia do Estado sionista de Israel contra o direito, inclusive determinado pela ONU, de criação do Estado da Palestina. Israel continua com a política de genocídio, de apartheid, de colonato e de militarização. O governo de Israel se transformou em um Estado fascista. Para nós, essa também é uma questão de justiça”, frisou Socorro.

Carta
Leia a íntegra da carta endereçada a Obama:

São Paulo, 24 de outubro de 2011
Excelentíssimo Senhor Barack Obama
Presidente dos Estados Unidos da América.

Senhor presidente Barack Obama,

No último dia 12 de setembro de 2011, completaram-se 13 anos da prisão nos EUA, de forma injusta e sem comprovação de culpabilidade, de cinco cubanos lutadores antiterroristas. Seu julgamento realizou-se em um tribunal parcial e acompanhado por uma campanha midiática preconceituosa que os buscava incriminar.

Durante o período de suas detenções, inúmeras violações aos direitos humanos têm sido sistematicamente cometidas: negação do recebimento de visita de seus familiares, dificuldades para o contato com seus advogados, além do submetimento a longos períodos de isolamento, prejudicando a saúde física e mental dos mesmos.

Um desses patriotas cubanos, René Gonzalez, saiu da prisão em 7 de outubro último, mas uma decisão judicial o obriga a permanecer na cidade de Miami, sob liberdade supervisionada, durante três anos, correndo sério risco de ser atingido por atentados de grupos terroristas anticubanos que se abrigam naquela cidade.

Diante da gravidade dos fatos acima descritos, vimos por meio desta manifestar nosso integral apoio à exigência do povo cubano e dos movimentos de solidariedade que em todo o mundo clamam pela libertação, sem condicionamentos, desses cubanos que só defenderam seu país de atos de terror, dando fim a esta enorme injustiça que se prolonga por 13 anos.

Acreditamos que Vossa Excelência pode usar as prerrogativas constitucionais de presidente da República dos Estados Unidos da América para satisfazer tal exigência legítima.

No caso particular de René González, associamos nossa voz à de todos os homens e mulheres amantes da paz e da justiça, que clamam por seu imediato regresso a Cuba.

Atenciosamente,

Socorro Gomes
Presidente do Conselho Mundial da Paz (CMP)

Nenhum comentário:

Postar um comentário