quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Os Cinco heróis cubanos e as decisões da juíza Lenard

O processo contra os Cinco antiterroristas cubanos detidos nos Estados Unidos teve um novo capítulo em 2011, quando depois da libertação de René Gonzalez, uma decisão judicial o obrigou a permanecer na Flórida sob “liberdade supervisionada”.

Yeanny Gonzalez Peña, da Prensa Latina, lido no Vermelho

Por decisão da juíza Joan Lenard, da Flórida, René Gonzalez, preso desde 1998, deverá passar os próximos três anos de sua vida nos EUA, separado de sua família e com risco de sofrer represálias por parte das organizações que ajudou a combater.

René Gonzalez deixou o cárcere de Marianna, Flórida, em 7 de outubro, e segundo o ditame judicial, “está proibido de associar-se com ou visitar lugares específicos onde se sabe que estão ou frequentam indivíduos ou grupos tais como terroristas, membros de organizações que propugnam a violência ou figuras do crime organizado”.

Um de seus advogados defensores, Richard Klugh, rechaçou o castigo adicional que deve cumprir René Gonzalez e afirmou que se trata de uma circunstância única, determinada de forma arbitrária.

O defensor estadunidense reiterou que este é um caso atípico na história judicial de seu país, onde permanecem encarcerados também Gerardo Hernandez, Antônio Guerrero, Fernando Gonzalez e Ramon Labañino, por monitorar ações contra Cuba de grupos terroristas radicados em Miami.

Os Cinco, como são conhecidos mundialmente, foram presos em 1998, e depois de um arbitrário julgamento, no qual a promotoria não pôde provar as imputações contra eles, foram sancionados a penas desmesuradas.

O processo começou no ano 2000 e terminou sete meses depois. O principal acusado, Gerardo Hernandez, foi condenado a duas penas perpétuas, mais 15 anos de privação de liberdade.

Antônio Guerrero, depois de ser sentenciado, cumpre 21 anos e 10 meses de prisão (e cinco anos de liberdade condicional); Ramon Labañino, 30 anos; e Fernando Gonzalez, 17 anos, mais nove meses de liberdade supervisionada.

Um amplo movimento mundial clama pela liberdade e pelo regresso a Cuba da cada um deles.

Mobilizações, colocação de cartazes em importantes cidades do planeta, solicitações pela libertação ao presidente estadunidense, Barack Obama, e um crescente uso das redes sociais para defender a causa dos Cinco são algumas das ações mais frequentes.

Em um colóquio realizado no final de ano na oriental província cubana de Holguín, mais de 300 delegados de 50 países lembraram incrementar as atividades para reclamar a Washington a liberdade total e incondicional dos antiterroristas e romper o silêncio midiático imposto.

Também demandaram o direito de seus familiares a visitá-los, particularmente os casos de Adriana Perez e Olga Salanueva, esposas de Gerardo e René, respectivamente, a quem o governo norte-americano tem negado de forma reiterada o visto para visitarem seus cônjuges.

A pacifista norte-americana Cindy Sheehan, cujo filho Casey morreu no Iraque quando integrava o exército de ocupação estadunidense, denunciou nesse foro o silêncio dos grandes meios de comunicação sobre o caso, e pediu a todos que divulgassem essa realidade.

“Emissoras de rádio e televisão não só calam a verdade sobre esses lutadores, como também promovem propaganda negativa a respeito de Cuba, o que é necessário combater”, afirmou.

Assim, líderes religiosos do Conselho das Igrejas Cristãs dos Estados Unidos demandaram dias depois – durante sua visita a Havana – a revisão das condenações e consideraram que o tema é um dos principais obstáculos para o melhoramento das relações bilaterais.

Por sua vez, o presidente do Parlamento cubano, Ricardo Alarcon, assinalou que, se ocorresse algo a René, seria responsabilidade do governo estadunidense.

Explicou que os Cinco foram culpados “só de não ter dito às autoridades norte-americanas que na realidade eram cubanos que tinham ido lá para cumprir a difícil missão de vigiar a grupos terroristas e tratar de descobrir seus planos contra seu povo”.

“A forma em que trataram aos colegas para que não pudessem atuar contra os terroristas é a melhor prova de que Cuba tem tido uma necessidade de defender em frente a um terrorismo incessante”, afirmou, em relação com o “direito à paz, a vida e a segurança pessoal”.

Provas suficientes indicam que, enquanto os antiterroristas Gerardo, Ramón, Fernando, Antônio e René seguem sendo vítimas do confuso processo, setores da comunidade anticubana de Miami continuam conspirando para cometer atos violentos no continente.

Para Antônio Gonzalez, presidente de Southwest Voter Registration Education Project, organização de latinos nos Estados Unidos, “as ações contra os Cinco aprofundaram a diferença entre observância dos valores norte-americanos de equidade, contra prática de tolerância ou impunidade para quem praticam o terrorismo”.

Enquanto os Cinco cubanos continuam cumprindo severas penas, os responsáveis pelos ataques terroristas contra a Ilha continuam impunes, sem que nenhum dos governos que passaram pela Casa Branca manifestasse sua vontade de remediar essa injustiça.

Nenhum comentário:

Postar um comentário