segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

Cuba: Conquistas e desafios da Revolução

A 53 anos do triunfo da Revolução, que transcorre neste 1º de janeiro, Cuba se encontra imersa na atualização de seu modelo econômico, processo desenhado para garantir a continuidade e o fortalecimento do sistema socialista adotado pela ilha.

Yeanny González Peña, via Vermelho

A vitória do 1º de janeiro de 1959 afastou a velha filosofia que promovia a qualidade de vida de um reduzido grupo com o poder econômico e político e mudou o status das grandes massas despossuídas.

Essas transformações tiveram como marco um cenário hostil, considerando que sete em cada dez cubanos nascera sob os efeitos do bloqueio econômico, comercial e financeiro dos Estados Unidos contra a Ilha, medida unilateral que limitou profundamente o desenvolvimento do país.

Contudo, o governo estabelecido se propôs superar a pobreza herdada de mais de 400 anos de colonialismo, apesar da hostilidade da Casa Branca.

Uma das primeiras medidas de benefício social foi a Lei da Reforma Agrária, que proscreveu o latifúndio com a nacionalização das propriedades de mais de 402 hectares e entregou a terra a dezenas de milhares de camponeses.

Esta ação acentuou a hostilidade de Washington, pois companhias norte-americanas possuíam importantes propriedades e interesses tanto no campo como em outros setores do país caribenho.

Seguiram-se outras medidas de corte progressista, dentre elas uma campanha que em pouco mais de um ano converteu Cuba no primeiro território livre do analfabetismo da América Latina.

Dados oficiais indicam que em 1959 só havia aqui 25 mil diplomados, faltavam escolas para mais de meio milhão de crianças, 10 mil professores estavam sem trabalho; era quase inexistente o ensino médio e 30 por cento dos cubanos não sabia ler nem escrever.

Em contraste com isso, no início do ano escolar 2011-2012, em 5 de setembro último, abriram suas portas mais de 60 universidades da ilha, com cerca de 500 mil alunos matriculados, segundo a página digital Cubadebate.

Na atualidade, a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) reconhece que 99,8% dos cubanos acima de 15 anos sabem ler e escrever.

O direito ao trabalho, à saúde à cultura e ao desporto também se transformou em premissa da sociedade cubana; pela primeira vez, um governo se preocupou em eliminar os vícios herdados da pseudo-república tais como a adição às drogas, o crime organizado, a prostituição e o abuso infantil.

A esse respeito, a Assembleia Nacional do Poder Popular aprovou no final do ano que em 2012, mais de 17 bilhões de pesos serão destinados à educação, saúde, cultura e outras esferas sociais, montante que supera a metade dos gastos previstos na atividade orçada da ilha.

Dados oficiais indicam, ademais, que a taxa de mortalidade infantil em Cuba se encontra abaixo de 5 por cada 1.000 nascidos vivos e a esperança de vida é de 78 anos.

As políticas empreendidas desde o próprio ano de 1959 fazem possível que Cuba mostre hoje as conquistas em face dos objetivos das Nações Unidas para 2015.

“Em Cuba, as metas previstas na Declaração do Milênio foram cumpridas praticamente em sua totalidade, e em alguns casos superadas”, afirmou o chanceler Bruno Rodriguez diante da plenária de alto nível da ONU em 2011.

Rodriguez assinalou ademais que o compromisso do país caribenho ultrapassa suas fronteiras, ao contribuir para o desenvolvimento social de outras nações do Terceiro Mundo.

No plano interno, Cuba, atualmente com 11,2 milhões de habitantes, também conseguiu êxitos culturais e desportivos que a situam ao nível dos países desenvolvidos.

Obteve o segundo lugar nos Jogos Pan-Americanos Guadalajara-2011, com 58 medalhas de ouro, e defende o acesso pleno à cultura e ao esporte em meio a importantes desafios econômicos, políticos e sociais.

Anos de crise econômica na década de 1990, dificuldades de liquidez e dívida com fornecedores internacionais, obrigaram Havana a ajustar seus planos econômicos e a potenciar a eficiência empresarial.

Estas iniciativas foram acompanhadas de medidas, tais como a entrega em usufruto de terras e a ampliação do trabalho por conta própria, que já emprega quase 360 mil pessoas.

Enquanto em 2010 o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) foi de 1,9% em relação com o ano anterior, para o encerramento deste ano se vislumbra um aumento de 2,7%. É melhor, mas ainda abaixo do valor projetado de três por cento.

A retificação para baixo foi causada, fundamentalmente, pelo não cumprimento do plano de construção e montagem para investimentos.

No final de 2011 os cubanos receberam a boa notícia de que o turismo, a locomotiva da economia, bateu recorde de visitantes ao superar os 2.531.745 visitantes do ano anterior.

Para 2012, o país prevê um incremento de seu PIB de 3,4%, projeção aprovada pelo Parlamento. Igualmente, a luta contra a corrupção e a ineficiência se transformou em eixos essenciais do governo do presidente Raul Castro.

Hoje, quando muitos países sofrem as consequências da crise financeira internacional e continua a hostilidade contra a ilha, Cuba está disposta a fazer esforços para seguir adiante e manter os benefícios de mais de meio século de socialismo.

Yeanny González Peña é jornalista da redação nacional de Prensa Latina.

Nenhum comentário:

Postar um comentário