sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

Nova mentira sobre Fidel fracassa no Twitter

A mídia cubana criticou o sítio do microblog Twitter e os cubanos exilados por espalharem, mais uma vez, rumores na internet de que ex-presidente da Ilha, Fidel Castro, teria morrido.


“O livro dos recordes, o Guinness, incluiu há alguns dias o nome de Fidel Castro como a pessoa que mais vezes foi alvo de tentativas de assassinato, mas também poderia ter incluído os inimigos da Revolução Cubana como os mais frustrados assassinos da história. E, aparentemente, a frustração no mundo real tem levado alguns a tentar matá-lo no mundo virtual, com a esperança de conseguirem aquilo que mais de meio século de tentativas criminosas não pode alcançar”, começa o texto publicado pelo sítio CubaDebate.

O website afirma que os rumores surgiram na segunda-feira, dia 2, e, de imediato, foram crescendo, alimentados pela “necrofilia contrarrevolucionária”, com o apoio de algumas mídias.

O texto recorda que, no último mês de agosto, os mesmos boatos foram espalhados nas redes sociais e, claro, desmentidos. Segundo CubaDebate, a nova farsa foi espalhada, entre outros, “por um ‘robô’ com um nome primário [@Naroh, um usuário com esse nome existe no Twitter e não necessariamente tem de estar ciente do que aconteceu com as derivações da sua conta] e diferentes secundários”.

Ainda de acordo com o sítio, todas as mensagens tinham conteúdos idênticos e mesmo horário de saída e origem. “Um elemento interessante é que todas essas contas foram registradas na versão italiana do Twitter e depois desta ação foram desativadas”, expõe o texto.

O veículo diz que a utilização destes ‘robôs’ para espalhar spam viola pelo menos dois dos termos e condições de uso do Twitter. O primeiro estabelece que um usuário não pode criar várias contas para fins prejudiciais ou abusivos, sob pena de suspensão de todas as contas. A segunda afirma que o usuário não poderá usar os serviços do Twitter para fins de envio de spam.

CubaDebate avalia que e o Twitter intensificou os boatos sobre a morte de Fidel, por permitir que a hashtag #fidelcastro se tornasse um dos assuntos mais comentados, chegando ao quarto lugar entre os trending topics. A colocação teria pavimentado o caminho para que jornais sensacionalistas fizessem eco às especulações.

“Uma comparação com a tag solidária #direitosdecuba, que em 9 e 10 de dezembro registrou uma grande atividade – e apesar disso não foi reconhecida como trending topic e terminou sendo censurada pelo Twitter – revela que o impacto dessa tag foi quatro vezes maior que o uso que os necrófilos fizeram da hashtag #fidelcastro, incluindo também as pessoas que a usaram para desmentir a manipulação”, diz o texto.

Um comentário: