terça-feira, 24 de janeiro de 2012

Panamá: Advogado pede extradição de grupo que planejou assassinar Fidel‎ em 2000

Posada Carriles

“São os tribunais e não o chanceler panamenho os que têm de decidir sobre a extradição solicitada do terrorista Luis Posada Carriles e seus comparsas”, disse no sábado, dia 21, o advogado de acusação, Rafael Rodriguez. A extradição de Posada Carriles e também Guillermo Novo, Pedro Remon e César Matamoros, assim como do panamenho José Hurtado, foram solicitadas na sexta-feira, dia 20.

O processo foi aberto após uma tentativa de atentado contra o ex-presidente cubano Fidel Castro em 2000 na Universidade do Panamá, na 10ª Cúpula Ibero-Americana. Os envolvidos foram presos na capital panamenha, porém receberam o indulto. “O indulto, que ilegal e grosseiramente lhes concedeu a ex-presidenta Mireya Moscoso, facilitando a fuga do Panamá, vai por água abaixo, pois foi declarado inconstitucional pelo 2º Tribunal, que confirmou a sentença do Julgado Quinto Penal do grupo terrorista”, disse Rodriguez.

“Todo este processo e as reações que têm gerado demonstram que Posada Carriles e seus comparsas são terroristas a serviço do governo e das entidades oficiais dos Estados Unidos”, afirmou o advogado.

O chanceler do Panamá, Roberto Henriquez, declarou que não vai processar a extradição, segundo o jornal La Estrella. “Isto, no entanto, é um assunto que não lhe compete, mas aos tribunais, e nossa solicitação já foi apresentada”, insistiu o advogado. “Se o tribunal decide em nosso favor, o chanceler é obrigado a tramitar a decisão.”

O tribunal panamenho confirmou a sentença do Julgado Quinto Penal mediante rdital no qual notifica oito anos de prisão para Posada Carriles e Jimenez; sete anos para Novo Sampol, Remon e Matamoros; e quatro anos para Hurtado.

A decisão, com conferência do magistrado suplente Secundino Mendieta, resolve a apelação apresentada por defensores e processantes a favor destes últimos. No entanto, essas condenações não foram por posse de explosivos para assassinar, reclamação ainda pendente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário