quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

Dilma conversou por uma hora e meia com Fidel Castro


Presidenta levou chocolates como presente e ganhou um livro com dedicatória.


A presidenta Dilma Rousseff conversou na terça-feira, dia 31, por uma hora e meia com Fidel Castro. O encontro, ao qual ela disse que compareceria “com muito orgulho”, foi na casa do líder cubano, logo depois do almoço privado entre Dilma, o atual presidente e irmão de Fidel, Raul Castro, e os ministros dos dois governos.

A conversa, relatada pelo assessor especial da presidência Marco Aurélio Garcia, passou pelos chocolates que a presidenta levou como presente, o livro com dedicatória que recebeu e o papel do Brasil nas reformas econômicas que estão sendo iniciadas pelo governo cubano. Perguntado se o tema de direitos humanos foi tratado, Marco Aurélio foi breve:

“O que tinha que ser dito, foi dito publicamente.”

Dilma foi ao encontro de Fidel acompanhada do ministro das Relações Exteriores, Antônio Patriota, do governador da Bahia, Jacques Wagner, e do próprio Marco Aurélio. Tomaram chá e água, antes da presidenta sair – atrasada – para visitar o Porto de Mariel, principal obra de infraestrutura em Cuba hoje, financiada pelo Brasil.

Ao ver a presidenta entrar em sua casa, Fidel comentou que a imaginava mais baixa do que realmente é. Contou, também, que leu recentemente um livro sobre ela, mas não lembrava o nome.

Dilma lembrou que essa era a segunda vez que encontrava o líder cubano. A primeira foi em um congresso de economista em Havana em 1982. Mas, deste encontro, Fidel não se lembra, contou Marco Aurélio.

“Claro que Fidel não lembrava dela, foi um encontro entre várias outras pessoas.”

Nenhum comentário:

Postar um comentário