sexta-feira, 9 de março de 2012

Ato na embaixada dos EUA em Brasília pede liberdade para os 5 cubanos

Foto de Vinicius Mansur
Cerca de 500 militantes ligados à Coordenação dos Movimentos Sociais protestaram em frente à embaixada norte-americana, na quarta-feira, dia 7, em Brasília, pedindo a imediata libertação dos 5 cubanos presos nos Estados Unidos. Antônio Guerrero, Fernando Gonzalez, Gerardo Hernandez, Ramon Labañino e René Gonzalez foram presos nos EUA há quase 13 anos. A história dos 5 é contada pelo livro Os últimos heróis da Guerra Fria, de Fernando Morais.

Vinicius Mansur, via Carta Maior

Cerca de 500 militantes ligados à Coordenação dos Movimentos Sociais (CMS) protestaram em frente à embaixada dos Estados Unidos, em Brasília, na tarde de quarta-feira, dia 7. Eles pediram aos estadunidenses a imediata libertação dos 5 cubanos presos injustamente, mas foram friamente recebidos.

Mais de 50 policiais militares do Distrito Federal foram deslocados para a porta da embaixada. Uma vendedora ambulante foi orientada a fechar sua barraca minutos antes da chegada dos manifestantes. Após alguns minutos de fala em um carro de som, a coordenação do ato entregou uma carta endereçada ao embaixador Thomas Shannon. Um funcionário estadunidense se deslocou até o portão que dá acesso à rua para recebê-la, deu sua assinatura para registrar a entrega e voltou para a embaixada sem fazer qualquer declaração.

De acordo com Ismael José César, secretário de políticas sociais da CUT, a carta pede ao embaixador que transmita ao presidente Barack Obama o recado do Comitê Brasília pela Libertação dos 5 Cubanos e do Grupo Parlamentar de Amizade Brasil-Cuba: a imediata libertação dos cubanos que lutavam contra o terrorismo nos EUA.

“A atividade que eles desenvolviam era de antiterrorismo. Eles monitoravam grupos terroristas anticastristas nos EUA e repassavam as informações para os governos de Cuba e dos EUA. Ou seja, os americanos sabiam que eles estavam lá”, explicou César.

Antônio Guerrero, Fernando Gonzalez, Gerardo Hernandez, Ramon Labañino e René Gonzalez foram presos nos EUA há quase 13 anos, condenados por espionagem, conspiração e por responsabilidade na derrubada de um avião civil que sobrevoava ilegalmente o espaço aéreo de Cuba. A história dos 5 e de outros cubanos que se infiltraram nos EUA é contada pelo livro Os últimos heróis da Guerra Fria, lançado em setembro do ano passado pelo jornalista e escritor Fernando Morais.

De acordo com César, existem mais de 200 comitês pela libertação destes cubanos em todo o mundo. A próxima iniciativa do comitê no Brasil será buscar a Nunciatura Apostólica para que ela solicite ao Papa Bento 16, que visitará Cuba em abril, que apoie a causa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário