quinta-feira, 15 de março de 2012

Rafael Correa cancela ida à Cúpula das Américas em solidariedade a Cuba

Presidente equatoriano evitou críticas mais diretas aos EUA, mas afirmou que não pode “aceitar que um país exclua o outro”.


O presidente do Equador, Rafael Correa, anunciou na quinta-feira, dia 15, que não irá participar da Cúpula das Américas que será realizada em Cartagena, na Colômbia, nos dias 14 e 15 de abril. Apesar de ser a primeira desistência oficial de um chefe de Estado, o evento deverá perder ainda mais força caso os países da Aliança Bolivariana dos Povos da Nossa América (Alba) também rejeitem a cúpula pela ausência de Cuba.

A ida de Cuba foi barrada pelos EUA, que alegam que só devem participar da cúpula os líderes “eleitos democraticamente”. A orientação foi aprovada em 2001. Em entrevista coletiva durante visita à Turquia, Correa questionou a ausência de Cuba no encontro.

“Se organiza uma cúpula para os países latino-americanos, mas se exclui um país latino-americano? Cuba não pode participar por causa do boicote norte-americano”, afirmou o presidente.

Correa evitou críticas mais diretas aos EUA, mas afirmou que não pode “aceitar que um país exclua o outro”. Segundo ele, os debates realizados “nestas cúpulas”, não tratam “dos problemas dos povos latino-americanos”.

“Nestas reuniões se fazem todos os tipos de declarações sobre democracia, mas nunca se fala da verdadeira democracia. Tudo são palavras que nunca se transformam em fatos”, criticou o equatoriano, que citou outras questões que deveriam ser debatidas no encontro, como o embargo dos EUA a Cuba e a ocupação britânica das Ilhas Malvinas. “Mas eles nunca são debatidos nestas reuniões”, destacou.

Os países que formam a Alba – Venezuela, Bolívia, Nicarágua, São Vicente, Granadinas, Dominica e Antigua e Barbuda – ainda não se posicionaram oficialmente, mas ameaçam não participar do encontro. Os norte-americanos foram os únicos que se mostraram contrários à participação de Cuba no evento.

A primeira edição da Cúpula das Américas foi realizada em 1994 e contou com a presença de todos os 34 países membros da Organização dos Estados Americanos (OEA), à exceção de Cuba.

Os cubanos foram suspensos da Organização em 1962, por imposição norte-americana. O veto, no entanto, foi abolido em 2009. Apesar disso, o país não demonstrou interesse em se reintegrar à OEA.

Nenhum comentário:

Postar um comentário