sexta-feira, 13 de julho de 2012

Navio dos EUA leva mercadorias a Cuba pela primeira vez em 50 anos

A companhia deseja começar fazer o percurso Miami-Havana semanalmente.

Com informações Opera Mundi

Desde 7 de fevereiro de 1962, quando teve início o bloqueio assassino dos EUA contra Cuba, o primeiro intercâmbio marítimo de mercadorias entre Miami e Havana aconteceu na quarta-feira, dia 11.

Mesmo diante da oposição da congressista republicana de origem cubana Ileana Ros-Lehtinen, a saída do navio Ana Cecília foi confirmada por Leonardo Sanchez Adega, porta-voz da International Port Corporation (IPC), companhia encarregada pela operação que, segundo as expectativas, deve se transformar em um serviço semanal.

Segundo Sanchez, até o momento a companhia não recebeu queixa alguma de nenhum particular ou organização cubana de Miami que se oponha a estreitar as relações com Cuba.

“A única coisa que acabamos de saber é que essa congressista [Ros-Lehtinen] mandou uma carta ao OFAC [Escritório de Controle de Bens Estrangeiros do Departamento do Tesouro] queixando-se da autorização que nos seria concedida para este serviço, mas nunca nos enviaram uma cópia”, explicou o porta-voz.

“Parece agora que quer impedir que retornemos a Miami, porque aparentemente há uma lei que diz que uma embarcação que tenha saído dos EUA para Cuba não pode voltar antes de 180 dias”, acrescentou.

“Nós estamos muito tranquilos, porque o tempo todo dissemos que nossa intenção era voltar imediatamente e ninguém nos disse nada. Temos todas as permissões e inclusive articulamos com a guarda costeira norte-americana para entrar e sair das águas dos dois países”, apontou Sanchez.

A IPC, que tem sede em Miami, indica que, após alguns trâmites que demoraram “cerca de um ano e meio”, conta com as licenças exigidas tanto pelo Departamento de Comércio dos EUA como pelo OFAC para realizar este tipo de envio.

O início deste serviço reflete certa flexibilização nas relações entre Cuba e Estados Unidos, após os últimos anos de suavização das restrições em matéria de remessas e viagens à Ilha, sob bloqueio comercial norte-americano desde 1962.

Nenhum comentário:

Postar um comentário