sexta-feira, 23 de novembro de 2012

ACJM/RS realiza 1º Encontro de Brigadistas Gaúchos de Solidariedade com Cuba

Acampamento Internacional Julio Antonio Mella,
na Província de Caimito, Cuba.
Vânia Barbosa, com informações da Associação Portuguesa José Martí
 
No próximo sábado, dia 24, a Associação Cultural José Martí/RS realiza o 1º Encontro com militantes sociais, culturais e políticos gaúchos que participaram das brigadas de solidariedade a Cuba a convite do Instituto Cubano de Amizade entre os Povos (ICAP). Também estarão presentes 13 novos brigadistas que viajam a Ilha em janeiro de 2013 para integrar a 20ª Brigada Sul-Americana, formada por 80 voluntários de estados brasileiros.
 
O encontro é aberto ao público e ocorre na sede do Sindpolo, na Av. Júlio de Castilhos, 596, 8º andar, em Porto Alegre. Das 9 às 11 horas estão previstos os depoimentos dos brigadistas que já conhecem de perto a realidade da Ilha ao participar de conferências, encontros com organizações da sociedade cubana e das visitas a espaços e instituições históricas, econômicas, culturais e sociais, além da convivência com a população. A maioria participou das jornadas de trabalho voluntário contribuindo para o programa de desenvolvimento agrícola e à esfera produtiva do país.
 
Das 14 às 16 horas serão apresentados os painéis “Bloqueio midiático e econômico”, com o professor do curso de Relações Internacionais da Unipampa, Rafael Balardin, e “Sistema político cubano”, com a e professora da PUC/RS e doutora em educação e sociologia, Ruth Ignácio.
 
O ICAP e as Brigadas
O Instituto Cubano de Amizade entre os Povos (ICAP) foi criado em 30 de dezembro de 1960, cerca de um ano após a Revolução Cubana ocorrida em janeiro de 1959. Para promover a visão internacionalista de solidariedade entre os povos – considerada um dos principais pilares da Revolução – ao longo dos anos o ICAP se fortaleceu como espaço de encontro das diversas culturas, um centro de reflexão sobre a realidade nacional e internacional e de importantes debates e intercâmbio de experiências entre grupos representativos dos setores populares e progressistas de todo o mundo.
 
Nestes 52 anos de criação, milhares de pessoas foram recebidas pelo Instituto e tiveram a oportunidade de conhecer de perto as transformações sociais, econômicas, políticas e culturais que ocorrem em Cuba, apesar das políticas hostis dos sucessivos governos estadunidenses, como o bloqueio econômico imposto desde 1962, que provocou perdas, calculadas até 2011, que superam os US$100 bilhões. Soma-se a isso o silêncio ou a manipulação da mídia internacional sobre a luta permanente do governo e do povo cubanos para defender a sua soberania e autodeterminação.
 
Sob a presidência de Kenia Serrano Puig, o ICAP também participa e dá atenção aos milhares de jovens bolsistas estrangeiros provenientes dos países do Terceiro Mundo, que chegam a Cuba para estudar, gratuitamente, entres outros cursos, medicina e educação física, nas várias universidades espalhadas pelo país.
 
Anualmente e com o apoio do Movimento Mundial de Solidariedade a Cuba, o ICAP organiza encontros internacionais como o Colóquio pela Libertação dos Cinco Heróis Cubanos e Contra o Terrorismo Midiático; a Brigada Latino-americana e Caribenha de Trabalhos Voluntários; a Brigada Sul – Americana de Solidariedade a Cuba e a Brigada 1º de Maio.
 
Também ocorrem eventos especiais como as Brigadas Che Guevara (Canadá); José Martí (Europeia); “Pablo de la Tómente Brau” (Europa Oriental); Juan Ruis Rivera (Porto Rico); Venceremos (Estados Unidos); a Brigada Internacional pelos Caminhos do Che e a 1ª Brigada Mundial contra o Terrorismo Midiático, entre outras.
 
Em novembro de 2010, mais de 60 comunicadores de 19 países da América Latina, América do Norte, Europa, Ásia e Oceania participaram da 1ª Brigada Mundial contra o Terrorismo Midiático e puderam acompanhar de perto os debates sobre o realinhamento político, econômico e social que ocorriam na Ilha com a participação da sociedade, por meio das assembleias populares.
 
Atualmente existe mais de 2000 movimentos de solidariedade a Cuba organizados no mundo. No Brasil as entidades estão formadas em 22 estados e no Distrito Federal, e contam, ainda, com o apoio de núcleos em universidades, sindicatos, parlamentos e movimentos sociais. Em parceria com o ICAP e a Embaixada e o Consulado de Cuba, os movimentos realizam a cada ano as suas convenções estaduais de solidariedade a Cuba, com atividades preparatórias para a Convenção Nacional, que ocorre a cada vez em um estado da Federação.
 
Nos próximos dias 21 de janeiro a 3 de fevereiro, o ICAP, sob a coordenação de Fabio Simeón, vai receber no Acampamento Internacional Julio Antonio Mella, na Província de Caimito, centenas de voluntários do Brasil, Argentina, Uruguai, Chile e Paraguai para a 20ª edição da Brigada Sul – Americana de Solidariedade a Cuba, coordenadas pelocom programações previstas ainda em Havana e Santa Clara. Em Havana participam da 3ª Conferência Internacional pelo Equilíbrio do Mundo, no Palácio de Convenções, evento que marca as atividades dos 160 anos de nascimento do heroi cubano José Martí.
 
No Brasil, a coordenação nacional da brigada está a cargo de Edson Puente, do Movimento de Solidariedade com Cuba de Santa Catarina, e cada estado participante conta com uma coordenação responsável pela seleção e preparação dos brigadistas. No RS a brigada é coordenada pela dirigente da ACJM/RS, Maria Cezira Mainieri.
 
Mais informações sobre as brigadas cubanas no site www.josemarti.org.br.

Nenhum comentário:

Postar um comentário