terça-feira, 13 de novembro de 2012

Cuba e Portugal: Dois bloqueios, dois desafios

A crise de endividamento vivida hoje por Portugal e o bloqueio imposto a esse país pelas políticas de austeridade da troika representam uma situação mais grave que a vivida por Cuba que enfrenta o desafio de criar um processo de geração e distribuição de renda para sua população. A análise é do governador do Rio Grande do Sul, Tarso Genro que, em entrevista à Carta Maior, fala sobre o que viu nesses dois países durante recente missão oficial do governo gaúcho.
 
Marco Aurélio Weissheimer, via Carta Maior
 
Cuba e Portugal vivem hoje dois tipos de bloqueios distintos que, se não forem vencidos, podem mergulhar esses países em uma grave situação. Após obter, com a Revolução Cubana, grandes avanços nas áreas da saúde e da educação, Cuba precisa superar o desafio de criar um processo de geração e distribuição de renda para o conjunto de sua população. Já Portugal está mergulhada numa grave crise de endividamento que bloqueia o desenvolvimento do país e está desmontando o Estado de bem-estar social construído a partir da Revolução dos Cravos. A análise é do governador do Rio Grande do Sul, Tarso Genro que, em entrevista à Carta Maior, fala sobre o que viu nesses dois países durante recente missão oficial do governo gaúcho. Para Tarso, a situação de Portugal é mais grave que a de Cuba: “Creio que é mais fácil Cuba encaminhar suas reformas pela unidade política que sustenta essa agenda e pela existência de uma rede de proteção social. Já Portugal não possui tal unidade política, está desmontando sua rede de proteção social e necessita de bilhões para sair da situação em que se encontra”, diz o governador.
 
CM: Qual paralelo entre Cuba e Portugal que o senhor percebeu nesta recente viagem aos dois países?
Tarso Genro: Cuba e Portugal vivem hoje processos de transformação que enfrentam bloqueios de natureza distinta. Trata-se de dois tipos diferentes de bloqueios que, se não forem vencidos, podem colocar duas grandes experiências [a Revolução Cubana e a Revolução dos Cravos] em xeque. Cuba precisa superar o desafio de criar um processo de geração e distribuição de renda para o conjunto de sua população. A Revolução Cubana obteve resultados extraordinários nas áreas da saúde e da educação, criando um sistema altamente eficiente que praticamente extinguiu o analfabetismo e garantiu uma das menores taxas de mortalidade infantil do mundo. O problema do país é como gerar agora um processo de geração de riqueza interna, criando um mercado de bens de consumo, de alimentos e outros produtos básicos, cuja ausência hoje trava o desenvolvimento do país.
 
CM: E como Cuba pode fazer isso, lembrando que ainda está submetida a um bloqueio econômico por parte dos Estados Unidos?
Tarso Genro: Em primeiro lugar, trabalhando para desenvolver um mercado interno, incentivando micro e pequenos empresários e cooperativas e criando uma dinâmica econômica interna. O governo cubano já tomou uma medida nesta direção que foi a distribuição de 100 mil propriedades rurais. Em segundo lugar, precisa implementar um processo industrial especialmente no setor agroalimentar. Cuba sofre até hoje com um legado negativo do período soviético. Na divisão interna do trabalho adotada no campo socialista soviético, foi delegado a Cuba apenas o papel de produzir açúcar, sem propiciar condições para que o país desenvolvesse uma indústria e uma economia diversificada. Isso deu origem a um socialismo meramente distributivo, sem soberania alimentar. O governo cubano está fazendo agora um movimento muito forte para dentro do país com o objetivo de começar a reverter esse quadro. E faz também um movimento para fora, estreitando relações e parcerias com países como o Brasil e a China. Cuba obteve avanços extraordinários em algumas áreas, como referi antes, mas a vida quotidiana do povo cubano é difícil, com alimentos racionados e um transporte coletivo precário.
 
CM: E Portugal, qual é o tipo de bloqueio que esse país vem sofrendo e qual relação pode ser feito com o caso cubano?
Tarso Genro: A Revolução dos Cravos, que acabou com a ditadura salazarista, gerou um Estado de bem-estar social, mas criou ao mesmo tempo uma armadilha que levou Portugal a um alto grau de endividamento, alimentando a crise que está levando o país agora a uma situação desesperadora. O protesto de 10 mil militares das Forças Armadas que saíram às ruas no sábado, dia 10, é um indicador do grau de gravidade da situação política, social e econômica. Cabe refletir sobre como Portugal chegou a essa situação. A social democracia europeia gerou em países como Portugal, Espanha e Grécia um processo de distribuição de renda forte para baixo, mas sem criar, junto com ele, um sistema fiscal equilibrado e justo, capaz de sustentar esse Estado de bem-estar social no longo prazo. Em vez disso, criou esse Estado de bem-estar social na base do endividamento, como ocorreu em Portugal. Agora, a conta está sendo cobrada pelo setor financeiro e seus agentes, processo que está desmontando a rede de proteção social do país, baixando salários e aposentadorias. Os recursos oriundos desses cortes estão sendo destinados ao refinanciamento dos bancos, do sistema bancário internacional e não dos Estados. Assim, a social democracia sem fundos criou uma expectativa e um padrão que não pode manter. Almocei ontem com um professor que ganhava cerca de 5 mil de euros de aposentadoria e, agora, esse valor foi praticamente cortado pela metade. Portugal é hoje um país ocupado pela troika [FMI, Banco Central Europeu, Comissão Europeia] e pelo sistema financeiro. As consequências são dramáticas. Algumas universidades vão fechar. O reitor da Universidade de Coimbra ameaçou fechar a instituição por causa do corte de recursos.
 
CM: Considerando o paralelo feito no início dessa conversa, qual é, em sua avaliação, a situação mais difícil, a de Cuba ou a de Portugal?
Tarso Genro: Cuba, como referi, enfrenta o legado do bloqueio econômico e da divisão internacional do trabalho do período soviético, enquanto Portugal está bloqueado pelas políticas de austeridade. Creio que é mais fácil Cuba encaminhar suas reformas pela unidade política que sustenta essa agenda e pela existência de uma rede de proteção social. Já Portugal não possui tal unidade política, está desmontando sua rede de proteção social e necessita de bilhões para sair da situação em que se encontra. O desafio de Cuba é aumentar a renda da população. Em Portugal, é preciso enfrentar uma dívida brutal que está sufocando a sociedade, o Estado e suas instituições. A esquerda portuguesa enfrenta um grande problema que é a ausência de uma plataforma que a unifique. O Partido Socialista, o Partido Comunista e o Bloco de Esquerda não têm uma agenda de unidade. Mário Soares acha que se não houver uma reação forte do governo pode haver uma deterioração do Estado. Se a troika continuar ditando a política essa situação pode explodir.

Nenhum comentário:

Postar um comentário