quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

Salim Lamrani: “La Dolce Vita” de Yoani Sanchez em Cuba

 
Ao contrário do que afirma, dissidente possui padrão de vida inacessível para a imensa maioria dos cubanos.
 
Salim Lamrani, via Opera Mundi
 
Ao ler o blog da dissidente cubana Yoani Sanchez, é inevitável sentir empatia por esta jovem mulher, que expressa abertamente sua oposição ao governo de Havana. Descreve cenas cotidianas de privações e de penúrias de todo tipo. “Uma dessas cenas recorrentes é a de perseguir os alimentos e outros produtos básicos em meio ao desabastecimento crônico de nossos mercados”, escreve em seu blog Generación Y. [1]
 
De fato, a imagem que Yoani Sanchez apresenta dela mesma – uma mulher com aspecto frágil que luta contra o poder estatal e contra as dificuldades de ordem material – está muito longe da realidade. Com efeito, a dissidente cubana dispõe de um padrão de vida que quase nenhum outro cubano da ilha pode se permitir ter.
 
Mais de 6 mil dólares de renda mensal
A SIP (Sociedade Interamericana de Imprensa), que agrupa os grandes conglomerados midiáticos privados do continente, decidiu nomeá-la vice-presidente regional de sua Comissão de Liberdade de Imprensa e Informação [2] por Cuba. Sanchez, que como de costume, é tão expressiva em seu blog, manteve um silêncio hermético sobre seu novo cargo. Há uma razão para isso: sua remuneração. A oposicionista cubana dispõe agora de um salário de seis mil dólares mensais, livres de impostos. Trata-se de uma renda bastante alta, habitualmente reservada aos quadros superiores das nações mais ricas. Essa importância é ainda maior considerando que Yoani Sanchez reside em um país de Terceiro Mundo em que o Estado de bem-estar social está presente e onde a maioria dos preços dos produtos de necessidade básica está fortemente subsidiada.
 
Em Cuba, existe uma dupla circulação monetária: o CUC e o CUP. O CUC representa aproximadamente 0,80 dólares ou 25 CUP. Assim, com seu salário da SIP, Yoani Sanchez dispõe de uma renda equivalente a 4.800 CUC ou a 120 mil CUP.
 
O poder aquisitivo de Yoani Sanchez
Avaliemos agora o poder aquisitivo da dissidente cubana. Assim, com um salário semelhante, Sanchez poderia pagar, a escolher:
 
– 300 mil passagens de ônibus;
 
– 6 mil viagens de táxi por toda Havana [3];
 
– 60 mil entradas para o cinema;
 
– 24 mil entradas para o teatro;
 
– 6 mil livros novos;
 
– 24 mil meses de aluguel de um apartamento de dois quartos em Havana [4];
 
– 120 mil copos de garapa (suco de cana);
 
– 12 mil hambúrgueres;
 
– 12 mil pizzas;
 
– 9.600 cervejas;
 
– 17.142 pacotes de cigarro;
 
– 12 mil quilos de arroz;
 
– 8 mil pacotes de macarrão;
 
– 10 mil quilos de açúcar;
 
– 24 mil sorvetes de cinco bolas;
 
– 40 mil litros de iogurte;
 
– 5 mil quilos de feijão;
 
– 120 mil litros de leite (caso tenha um filho de menos de 7 anos);
 
– 120 mil cafés;
 
– 80 mil ovos;
 
– 60 mil quilos de carne de frango;
 
– 60 mil quilos de carne de porco;
 
– 24 mil quilos de bananas;
 
– 12 mil quilos de laranja;
 
– 12 mil quilos de cebola;
 
– 20 mil quilos de tomate;
 
– 24 mil tubos de pasta de dente;
 
– 24 mil unidades de sabão em pedra;
 
– 1.333.333 quilowatts-hora de energia [5];
 
– 342.857 metros cúbicos de água potável [6];
 
– 4.800 litros de gasolina;
 
– um número ilimitado de visitas ao médico, dentista, oftalmologista ou qualquer outro especialista da área de saúde, já que tais serviços são gratuitos;
 
– um número ilimitado de inscrições a um curso de esporte, teatro, música ou outro (também gratuitos).
 
Essas cifras ilustram o verdadeiro padrão de vida de Yoani Sanchez em Cuba e dão uma ideia sobre a credibilidade da opositora cubana. Ao salário de seis mil dólares pagos pela SIP, convém agregar a renda que cobra a cada mês do diário espanhol El País, do qual é correspondente em Cuba, assim como as somas coletadas desde 2007.
 
Com efeito, no período de alguns anos, Sanchez recebeu múltiplas distinções, todas financeiramente remuneradas. No total, a blogueira recebeu uma retribuição de 250 mil euros, ou seja, 312.500 CUC ou 7.812.500 CUP, quer dizer, uma importância equivalente a mais de 20 anos de salário mínimo em um país como a França, quinta potência mundial.
 
A dissidente, que primeiro emigrou à Suíça depois de optar por voltar a Cuba, é bastante sagaz para compreender que o fato de adotar um discurso a favor de uma mudança de regime agradaria aos poderosos interesses contrários ao governo e ao sistema cubanos. E eles, por sua vez, saberiam se mostrar generosos com ela e permitiriam gozar da dolce vita em Cuba.
 
Salim Lamrani é doutor em Estudos Ibéricos e Latino-americanos pela Universidade Paris Sorbonne-Paris IV, professor titular da Université de la Réunion e jornalista, especialista das relações entre Cuba e Estados Unidos. Contato: lamranisalim@yahoo.fr; Salim.Lamrani@univ-reunion.fr; Facebook: https://www. facebook.com/SalimLamraniOfficiel.
 
Referências bibliográficas
[1] Yoani Sanchez, “Atacado × varejo”, Generación Y, 5 de junho de 2012. http://www. desdecuba.com/generaciony/  (site consultado em 26 de julho de 2012).
 
[2] El Nuevo Herald, “Yoani nomeada na Comissão da SIP”, 9 de novembro de 2012.
 
[3] De Havana Velha até o bairro Playa.
 
[4] 85% dos cubanos são proprietários de suas casas. Essa tarifa é reservada exclusivamente para os cidadãos cubanos da ilha.
 
[5] Até 100 quilowatt-hora, o preço é de 0,09 CUP a cada quilowatt-hora.
 
[6] 0,35 CUP por m³.

Um comentário:

  1. É lamentável que nenhum brasileiro tenha interesse pela real verdade,porém engole
    tudo que a nossa imprensa podre lhes oferece.
    Por que isso não é noticiado ao cidadão?
    Nossa mídia segue com a elite política o
    velho costume de beijabunda dos EUA,quando
    deveria ter,no mínimo,vergonha de fazer parte
    deste jogo sujo.

    ResponderExcluir