sexta-feira, 6 de setembro de 2013

Parceria entre UFRN e Universidade de Havana


Parceria entre UFRN e Universidade de Havana estuda seleção de plantas adaptadas ao semiárido

     Foto: Anastácia Vaz
          
Por João Paulo de Lima 
Temas fundamentais no desenvolvimento agrícola, relacionados ao cultivo de alimentos e ao aproveitamento de áreas marginalizadas para a produção de biocombustíveis, são objeto de estudo do Projeto de Formação e Qualificação de Profissionais Brasileiros e Cubanos. Coordenado, no Brasil, pela professora Cristiane Macedo, do Centro de Biociências (CB) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), o projeto é uma parceria entre a UFRN, a Universidade Federal Rural do Semiárido (UFERSA) e a Universidade de Havana (UH-Cuba) e promove o intercâmbio de professores, pesquisadores e estudantes de pós-graduação dos dois países. A temática central do estudo está relacionada à atual situação que países da América Latina vivem, onde o processo de desertificação se acentua cada vez mais devido ao desmatamento, ao uso intensivo do solo e à irrigação mal conduzida, que originam a salinização. A pesquisa é inserida no contexto do melhoramento de plantas e da busca por alternativas aos combustíveis fósseis. No Rio Grande do Norte, 92% do seu território é de clima semiárido, onde a presença de elevados teores de sais solúveis no solo e na água é um processo natural, e que vem afetando o desenvolvimento da fruticultura no estado. A área de cultivo de algumas fruteiras de subsistência para o pequeno e médio agricultor apresenta uma sensível diminuição em todo o estado, provocada pelo aumento da salinidade e o déficit hídrico. A exemplo do Brasil, Cuba também sofre com o processo de desertificação. Assim, o projeto estuda os efeitos do estresse hídrico e salino na fisiologia das plantas, problemas referentes à concentração ou ausência de água e sais solúveis no solo, tendo em vista a seleção de espécies de interesse econômico para ambos os países, mais adaptadas ao cultivo nessas regiões. Nesse sentido, a pesquisa busca conhecer melhor os mecanismos de toxidez e resistência ao clima semiárido, onde são realizados estudos bioquímicos relacionados, por exemplo, a proteínas que possam implicar meios de tolerância à salinidade e ao déficit hídrico, conhecimento de fundamental importância, pois permite acelerar o processo de identificação e seleção de plantas mais resistentes.
Foto: Anastácia Vaz

Coordenado, no Brasil, pela professora Cristiane Macedo, do Centro de Biociências (CB) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), o projeto é uma parceria entre a UFRN, a Universidade Federal Rural do Semiárido (UFERSA) e a Universidade de Havana (UH-Cuba) e promove o intercâmbio de professores, pesquisadores e estudantes de pós-graduação dos dois países

Segundo a professora Cristiane, “a iniciativa visa introduzir espécies mais adaptadas ao cultivo em áreas salinizadas do semiárido e, ainda, demarcar características fisiológicas e bioquímicas de estresse salino que possam estar associadas ao maior rendimento em óleo, fornecendo matrizes para produção de biodiesel e viabilizando assim o desenvolvimento sustentável do agronegócio para pequenos produtores”. Financiado pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), o projeto teve início no ano de 2012 e promove missões de trabalhos e missões estudos. As primeiras têm a proposta de enviar profissionais e pesquisadores dos dois países para ministrar palestras, cursos e elaborar projetos que auxiliem na formação dos estudantes envolvidos. Dentro da proposta das missões de trabalhos, o Centro de Biociências (CB) recebeu, entre os dias 2 e 12 de julho, a professora Rosa Rodés García, docente da Faculdade de Biologia da Universidade de Havana. Já as missões de estudos promovem a ida de estudantes para instituições parceiras com o intuito de fazer intercâmbio acadêmico e obter uma formação mais diversificada. Nessa modalidade, encontra-se em Cuba Yuri Lima Melo, estudante de doutorado em Fitotecnia pela UFERSA. Cristiane Macedo afirma que “a perspectiva é que o projeto seja renovado, para que assim seja mantida a cooperação existente entres as universidades, com o proposito de melhorar a troca de conhecimento cientifico entre as instituições”.
Foto: Cícero Oliveira
No Rio Grande do Norte, 92% do seu território é de clima semiárido, onde a presença de elevados teores de sais solúveis no solo e na água é um processo natural, e que vem afetando o desenvolvimento da fruticultura no estado. A área de cultivo de algumas fruteiras de subsistência para o pequeno e médio agricultor apresenta uma sensível diminuição em todo o estado, provocada pelo aumento da salinidade e o déficit hídrico





Retirado de UFRN

Nenhum comentário:

Postar um comentário