segunda-feira, 27 de julho de 2015

O Paraíso dos Mergulhadores

JARDINES DE LA REINA - CUBA

jardines de la reina cuba 718x360 01
O Parque Nacional Jardim de la Reina é o maior do país como uma extensão marítima em torno de 2170 km².
Consiste no arquipélago do mesmo nome e das águas que o rodeiam. 
É o maior reduto virgem de vida marinha cubana, é um dos quatro parques marinhos que existem em Cuba, e terceiro na extensão e o mais natural deles.
Com uma frente de cerca de 150 km foi nomeado Jardins da Rainha por Cristóvão Colombo em homenagem à rainha da Espanha e é composta por um arquipélago de ilhotas estreitas e relativamente pequeno, a maioria deles localizados na borda da plataforma ilha entre 30 e 80 km ao sul das províncias de Ciego de Ávila e Camagüey, que são formados principalmente por bosques de mangue, complexos de vegetação e pequenas tiras de dunas baixas.

O fundo do mar do Parque Nacional se destaca não só pelo seu tamanho, mas por ser o mais conservado e diversificado no Caribe, a abundância de corais, gorgônias, algas, esponjas, moluscos, crustáceos, tartarugas e peixes de grande porte, dão um alto valor estético, educacional e científico. 
É o local de desova das 04 principais espécies de tartarugas marinhas em Cuba. 
O destaque deste parque está em determinadas populações que têm as maiores densidades de biomassa de Cuba e possivelmente das ilhas do Caribe. 
A presença de grandes cardumes de espécimes de peixes e outras águas mais profundas é uma constante neste parque, entre eles estão os tubarões, cabeçudo, brincalhão e o tubarão-baleia dentre outros.

Aqui estão catalogadas mais de 165 espécies de invertebrados marinhos, 60 de esponjas, 77 de corais, 167 espécies de peixes na zona recifal e mais de 58 nas regiões de mangue. 
O número de peixes supera em muito que se vê em outras regiões de CUBA, algo surpreendente, mesmo comparado com outras regiões de proteção marinha do mundo. 

Um dos sinais mais evidentes da saúde dos recifes e grande atrativo para os mergulhadores é a enorme quantidade de tubarões de diversas espécies, sempre os primeiros a sucumbir quando há desequilíbrio do ecossistema, fazendo deste destino um dos melhores lugares do mundo para o mergulho e para mergulhos inesquecíveis com os tubarões!
A preservação incentivada por medidas de protecionismo do governo cubano, é o segredo desse milagre. 

Sua posição geográfica traz uma brisa agradável e águas mornas. A temperatura varia entre 23º a 28º graus no inverno e de 25º a 34º graus no verão.
Em Jardines de La Reina, voce se hospedará num hotel flutuante em meio a um banco de corais,  chamado "La Tortuga" com 3 lanchas rápidas que nos levam aos melhores pontos de mergulho com no máximo 8 mergulhadores na água por ponto, uma exclusividade que só se encontra em Jardines.

Retirado de Viagem e Mergulho

Cuba pede fim do bloqueio e devolução de Guantânamo nas celebrações do Dia da Rebeldia

Data marca o 62º aniversário do assalto ao Quartel Moncada, quando militantes liderados por Fidel Castro realizaram a primeira ação armada da revolução


Durante as celebrações do 62º aniversário do assalto ao Quartel Moncada, Cuba pediu neste domingo (26/07) que os EUA coloquem fim ao bloqueio econômico e que devolvam a base naval de Guantânamo. As exigências nesta data – que marca o início da Revolução Cubana e também é conhecida como ‘Dia da Rebeldia’ – ocorrem quase uma semana após a ilha oficializar o restabelecimento de relações diplomáticas com os EUA.

O ato comemorativo ocorreu no antigo quartel de Moncada, situado em Santiago de Cuba e convertido em uma escola, onde em 26 de julho de 1953 os militantes liderados por Fidel Castro realizaram o que é considerada a primeira ação armada da revolução.

No evento, o discurso central ficou a cargo do vice-presidente de Cuba, José Ramón Machado Ventura. "Começa agora um longo e complexo caminho rumo à normalização das relações, que inclui o fim do bloqueio e a devolução da base naval de Guantânamo", exigiu.


Segundo o número 2 do Executivo, a reabertura das embaixadas na última segunda-feira (20/07) marca “o término da primeira fase do processo iniciado em 17 de dezembro", quando o chefe de Estado cubano, Raúl Castro, e seu homólogo estadunidense, Barack Obama, anunciaram uma reaproximação bilateral.

"Saio daqui com a fiel esperança de que Santiago sempre seguirá sendo Santiago!", limitou-se a declarar Raúl, aludindo ao tradicional espírito revolucionário dos habitantes da província situada na porção oriental da ilha e tida como “o berço da revolução” de Castro.

As festividades contaram com diversos shows e reuniram cerca de 10 mil pessoas, entre as quais, “Os Cinco”, agentes cubanos considerados terroristas pelos EUA e heróis para a ilha, que ficaram encarcerados durante anos em prisões norte-americanas.


Em 26 de julho de 1953, o Quartel Moncada foi alvo da primeira, e fracassada, ação armada de Fidel Castro contra o ditador Fulgencio Bastista. Esse levante, que incluiu o quartel Carlos Manuel de Céspedes, na cidade de Bayamo, é uma das datas emblemáticas do calendário político cubano ao lado do triunfo revolucionário de 1º de janeiro de 1959.

Retirado de SOLIDÁRIOS

segunda-feira, 6 de julho de 2015

Projeto de Biociências da UFRN leva estudantes para qualificação em Cuba

Temas fundamentais no desenvolvimento agrícola, relacionados ao cultivo de alimentos e ao aproveitamento de áreas marginalizadas para a produção de biocombustíveis, são objeto de estudo do Projeto de Formação e Qualificação de Profissionais Brasileiros e Cubanos.

Coordenado no Brasil pela professora Cristiane Macedo, do Centro de Biociências (CB) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, o projeto é uma parceria entre a UFRN, a Universidade Federal Rural do Semiárido (UFERSA) e a Universidade de Havana (UH-Cuba), promovendo o intercâmbio de professores, pesquisadores e estudantes de pós-graduação dos dois países.

A temática central do estudo está relacionada à atual situação em que vivem países da América Latina, onde o processo de desertificação se acentua cada vez mais devido ao desmatamento, ao uso intensivo do solo e à irrigação mal conduzida, que originam a salinização. A pesquisa é inserida no contexto do melhoramento de plantas e da busca por alternativas aos combustíveis fósseis.

Em 92% do território do Rio Grande do Norte, há predominância do clima semiárido, no qual a presença de elevados teores de sais solúveis no solo e na água é um processo natural, e que vem afetando o desenvolvimento da fruticultura no estado. A área de cultivo de algumas fruteiras de subsistência para o pequeno e médio agricultor apresenta uma sensível diminuição, provocada pelo aumento da salinidade e o déficit hídrico.

A exemplo do Brasil, Cuba também sofre com o processo de desertificação. Assim, o projeto estuda os efeitos do estresse hídrico e salino na fisiologia das plantas, problemas referentes à concentração ou ausência de água e sais solúveis no solo, tendo em vista a seleção de espécies de interesse econômico para ambos os países, mais adaptadas ao cultivo nessas regiões.

Nesse sentido, a pesquisa busca conhecer melhor os mecanismos de toxidez e resistência ao clima semiárido, onde são realizados estudos bioquímicos relacionados, por exemplo, a proteínas que possam implicar meios de tolerância à salinidade e ao déficit hídrico, conhecimento de fundamental importância, pois permite acelerar o processo de identificação e seleção de plantas mais resistentes.

Segundo a professora Cristiane Macedo, “a iniciativa visa introduzir espécies mais adaptadas ao cultivo em áreas salinizadas do semiárido e, ainda, demarcar características fisiológicas e bioquímicas de estresse salino que possam estar associadas ao maior rendimento em óleo, fornecendo matrizes para produção de biodiesel e viabilizando assim, o desenvolvimento sustentável do agronegócio para pequenos produtores”.

Financiado pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), o projeto teve início no ano de 2012, e promove missões de trabalhos e missões estudos. As primeiras têm a proposta de enviar profissionais e pesquisadores dos dois países para ministrar palestras, cursos e elaborar projetos que auxiliem na formação dos estudantes envolvidos. Já as missões de estudos promovem a ida de estudantes para instituições parceiras com o intuito de fazer intercâmbio acadêmico e obter uma formação mais diversificada.

Cristiane Macedo afirma que “a perspectiva é que o projeto seja renovado, para que assim seja mantida a cooperação existente entres as universidades, com o propósito de melhorar a troca de conhecimento científico entre as instituições”.

Retirado de UFRN