quinta-feira, 19 de novembro de 2015

Quem foi José Martí?




Em 1953, em seu histórico "A História me absolverá", Fidel Castro Ruz, ao descrever as dificuldades e a censura a ele impostas na prisão, afirmava "(...)Da mesma forma se proibiu que chegassem em minhas mãos os livros de Martí; parece que a censura da prisão os considera muito subversivos. Será que é porque eu digo que Martí era o autor intelectual do 26 de Julho? [...]. Não importa! Trago no coração as doutrinas do maestro e no pensamento os nobres ideais de todos os homens que defederam a liberdade dos povos”.

José Julián Martí y Pérez nasceu em Havana em 1853. Quando tinha apenas 15 anos, eclode uma rebelião pela independência da ilha, conhecida como Grito de Yara, liderada por Carlos Manuel de Céspedes (1819-1894), advogado e dono de terras cubano que teria libertado seus escravos e desafiado o poderio espanhol. A partir de então, começa a luta pela Independência que dura muitas décadas, destacando três principais guerras: a Grande Guerra ou Guerra dos Dez Anos (1868-1878); a Guerra Chiquita (1879-1880); a Guerra Hispano-Cubana ou Guerra Chica (1895-1898).

Com apenas 16 anos, José Martí iniciou seus trabalhos jornalísticos, publicando artigos contra o colonialismo. Com essa idade é condenado a seis anos de prisão, acusado de subversão. De início fica preso em uma pedreira fazendo trabalho forçado, mas depois é enviado para a Espanha. Em decorrência das correntes do presídio desenvolve um sarcocele que o acompanhará durante grande parte da vida.

Mesmo longe de sua terra, não abandonou seu espírito revolucionário, continuou produzindo artigos e divulgando suas ideais antiimperialistas.  Por complicações de saúde, Martí vai para Madrid, onde realiza diversas cirurgias e acompanha de perto a Proclamação da República na Espanha (1873). Nesse contexto, escreve seu artigo “A Revolução Espanhola diante da Revolução Cubana“, em que acusava os espanhóis de apresentarem uma política contraditória: em seu país defendiam ideais de liberdade, de formação de uma república, que eram negadas às suas colônias. Apesar dos problemas de saúde e financeiros, em 1874 se forma em Direito Civil e Canônico, Filosofia e Letras na Universidade de Zaragoza.

Em 1875 ruma para o México, com o objetivo de ajudar no sustento de sua família e para se aproximar de Cuba. É lá que tem maior contato com a população de cultura indígena, e partir disso, intensifica sua reflexão sobre a questão racial e a luta contra o racismo.

“Depois de ferir seu espírito de homem, já não sobra ao índio dos campos mais que costas para levar as cargas da igreja, para pagar tributo aos caciques, para comprar as telas do espanhol”(1)

Em 1878, a primeira guerra de Independência terminava, os dois lados afirmavam o Pacto de Zanjón, e assim Martí pôde regressar a Cuba. Une-se ao Comitê Revolucionário Cubano, fundado por Calixto Garcia(3). Um ano depois, é acusado de conspiração e novamente é deportado para Espanha, não podendo participar da Guerra Chiquita. Logo depois, consegue ir para os Estados Unidos, onde organiza em Nova York um Comitê Revolucionário Cubano. No dia 24 de janeiro de 1880, José Martí realiza seu primeiro discurso nos EUA, fazendo um chamado pela união de todas as forças revolucionárias, no qual afirma:
 “Os grandes direitos não se compram com lágrimas — mas com sangue. [...] Que futuro sombrio o da nossa terra se abandonamos a seu próprio esforço os bravos que lutam e não nos unimos para auxiliar [...]. Antes de abrandar o esforço de fazer a pátria livre e próspera, o mar do sul se unirá ao mar do norte, e nascerá uma serpente do ovo da águia”.


Se no período inicial em terras yanques Martí expressava certa admiração, mais tarde não pôde se calar, frente a ameaça que via crescer diariamente: "Da nossa sociologia e de suas leis pouco se sabe, tão precisas como essa outra: Os povos da América são mais livres e prósperos à medida que se afastarem dos Estados Unidos”.
Em 1881, viaja para Venezuela, com a influência das ideias de Simón Bolívar, passa a defender ainda mais uma identidade latino-americana.

Criticava o costume dos jovens ricos a copiar a cultura do exterior e debatia a importância de uma transformação cultural. Dizia aos jovens que deixassem “as calças da Inglaterra, o colete parisiense, o jaquetão da América do Norte e o Chapelão da Espanha”.

Em seguida, Martí é nomeado presidente interino da Comitê Revolucionário Cubano e com o tempo se torna um líder para a comunidade dos exilados em função das guerras independentistas. Nessas batalhas, de caráter popular, 80% dos soldados eram negros, entre eles muitos mambíses, escravos libertos(5).

Estátua de José Martí segurando o menino Elian frente a atual embaixada dos Estados Unidos em Cuba.

Em 1892, nos Estados Unidos, com Maceo e Gómez, Martí funda o Partido Revolucionário Cubano, propondo a libertação de Cuba e de Porto Rico.

Redigem em 1895 um documento denominado “O Partido Revolucionário Cubano à Cuba”, conhecido também como “Manifesto de Montecristi”. Nele apresentam as propostas para a insurreição.

No mesmo ano, quando Martí regressava a Cuba numa embarcação vinda do Haiti é surpreendido pelo ataque de cerca de 600 soldados espanhóis, e assim, em 19 de maio, é baleado e morto. O intelectual humanista e democrata morria no campo de batalha.

Sobre esse homem, destacou Ernesto "Che" Guevara certa vez: “Martí foi o mentor direto da nossa Revolução, o homem cuja palavra se recorria sempre para dar a interpretação justa dos fenômenos históricos que estávamos vivendo e o homem cuja palavra e cujo exemplo havia que recordar cada vez que se quisesse dizer ou fazer algo transcendente nesta Pátria... porque José Martí é muito mais que cubano: é americano; pertence a todos os vinte países de nosso continente e sua voz se escuta e se respeita não só aqui em Cuba, mas em toda América”.

José Martí viveu apenas 42 anos, mas, mais de um século depois ainda é lembrado e admirado por aqueles que sustentam a luta de seu povo por sua auto-determinação e contra o imperialismo.

Foi poeta, escritos, orador e jornalista, e assim, iluminou e ilumina o caminho de outros muitos revolucionários e heróis latino americanos.

De seu pensamento e ação se destacam a denúncia das consequências do imperialismo nascente nos Estados Unidos para toda a América, a unidade capaz de aglutinar os combatentes revolucionários e o exemplo de conduta e entrega a causa da libertação nacional.

“O verdadeiro homem não busca o lado que se vive melhor, mas sim o lado que está o dever; e esse é o verdadeiro homem, o único homem prático, cujo sonho de hoje será a lei de amanhã, porque ele que pôs os olhos nas entranhas universais, e viu ferver os povos, ardentes e ensanguentados, no caldeirão dos séculos sabe que no futuro fez a diferença, está do lado do dever”
José Martí, En Hardman Hall, Nueva York, 10 de octubre de 1890

NOTAS:

(1) Trecho do texto de Martí - Pátria e Liberdade - em que denuncia as condições das quais os índios eram vítimas

(2) Acordo que, dentre outras coisas, concedeu anistia aos exilados políticos

(3) General de destaque que combteu na Guerra dos Dez Anos

(4) Publicado por Martí no jornal Patria, Nova York, 1894.

(5) Mambises é uma palavra de origem creole, lingua falada no Haiti. Com o tempo, a expressão “mambí” se tornaram sinônimo de “soldado do Exército Libertador”  ou ainda “Defensor da Causa da Independência”.

Retirado de Fuzil Contra Fuzil

Nenhum comentário:

Postar um comentário